Especial Nossa Farroupilha: Conheça as cervejarias artesanais que estão levando o nome do município para todo Brasil

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por fabricarem o mesmo produto, elas são consideradas concorrentes. No entanto, a diferença de posicionamento no mercado faz com que se tornem verdadeiras parceiras na consolidação de um setor ainda recente em Farroupilha. Estamos falando das cervejarias artesanais. Favorita, Blauth Bier e Guarnieri estão à frente desse processo, já devidamente registradas e com fabricação plena.

Na reportagem especial dessa semana, vamos conhecer um pouco mais sobre a estrutura e as características de cada uma, em um roteiro que inicia pelo bairro Medianeira, passa pelo Desvio Blauth e encerra em Linha São Miguel, ambas no interior da cidade.

 

Serviços e produtos diversificados dão visibilidade à marca

Cervejaria Favorita expandiu mercado e hoje já é consumida em outros estados

Dedicação e muito empenho para trabalhar até nos finais de semana. É assim que Flávio Boakoski, proprietário da Cervejaria Favorita, define sua equipe. Os seis funcionários da empresa integram o sonho de um microempreendedor pioneiro no município, que depois de uma viagem profissional à Alemanha passou a se dedicar ao hobby e o transformou em um negócio promissor.

Equipe dedicada a produzir e expandir a marca

          “Depois de ter consumido muito chopp artesanal lá, percebi que aqui em Farroupilha ainda não tinha nada assim, com visibilidade, que seguisse a “Lei da Pureza”, que diz que na cerveja se usa apenas quatro elementos: malte, lúpulo, fermento e água. Então, vi uma oportunidade, comecei fazendo como um hobby, em panelas de 30 litros, passei para 120 e tudo foi ganhando uma proporção muito rápida. Depois de dois anos produzindo cerveja para consumo próprio, amigos, família, cheguei numa encruzilhada: ou fazia e comercializa em escala maior ou…e em 2014 surgiu a oportunidade investir numa cozinha de 300 litros que é a que eu tenho até hoje”, conta.

O engenheiro químico deixou de lado o trabalho numa multinacional e se especializou em tecnologia cervejeira. A indústria, localizada na Rua Trento, 20, no bairro Medianeira, se formalizou há dois anos e meio e hoje, além da produção, oferece visitação e degustação dos produtos, que como conta Boakoski, surpreende farroupilhenses e visitantes. “Já atendemos o público aqui. Quem quiser visitar, experimentar, bater um papo com os amigos, a gente recebe. Tem turistas que chegam aqui e se admiram ao perceberem que no porão de uma casa tem todo esse equipamento, um investimento alto e que produzimos cervejas tão boas como na Europa, por que a matéria prima é toda importada, o lúpulo, o malte, o fermento vem de lá”, enfatiza.

“A nossa Pilsen é muito leve, o que favorece o consumo sem preocupação daquele “peso”. Como nós partimos muito para esse lado do consumidor em choperias, desenvolvemos um produto de corpo mais leve, lúpulos mais neutros, que não sejam tão amargos”

O espírito inovador e a busca pelo crescimento não deixaram o cervejeiro se acomodar. Atualmente produzindo 18 mil litros por mês e com capacidade para mais dez, ele firmou parcerias com bares e restaurantes de Farroupilha e cidades vizinhas; iniciou a participação em comemorações da comunidade e em festas particulares, trabalha com a locação de chopeiras elétricas e ainda lançou o chopp em garrafa pet. “A gente vende muito para formaturas, casamentos e aniversários. Temos vários estabelecimentos que oferecem a Favorita e com uma aceitação muito boa, fora os clientes que alugam as chopeiras elétricas para fazerem suas confraternizações ou que vem aqui e pegam a quantidade exata que precisam nos litros de plástico para ocasiões específicas. Foi uma demanda que não esperávamos e pela praticidade deu muito certo. Na Serra somos os únicos a comercializar o produto assim. Atendemos na Arena do Grêmio também com a Macanuda Chopp Truck, Polaca Beer e a Veterana Beertruck.

O chopp em garrafa pet de dois litros tem validade de 14 dias e as garrafas de 6 a 8 meses

A diversificação dos produtos e serviços tem gerado visibilidade à empresa, tanto na Serra e região Metropolitana de Porto Alegre – que atualmente representa 90% do mercado da cervejaria – quanto fora do Rio Grande do Sul. “Hoje já mandamos para São Paulo, Ceará e Manaus, recentemente Roraima. No ano passado tivemos uma proposta para ir para outro estado, que disponibilizou estrutura e outras vantagens, mas ainda assim preferimos investir em Farroupilha, por que entendo que ter meu rótulo com procedência da serra gaúcha vale muito mais lá fora. Nós temos essa herança que vem dos vinhos e hoje nossas cervejas também são reconhecidas”, ressalta Boakoski.

    A expansão da marca não deve parar por aí. “Esse ano foi o primeiro para medirmos como estava a nível de mercado, mas agora, nosso objetivo é mandar nossa cerveja para avaliação em concurso e viabilizar o brew pub”. Com os olhos brilhando, o cervejeiro conta que o projeto de um novo estabelecimento está pronto, mas prefere ainda não revelar o local, já que a documentação está em análise de Viabilidade Urbanística (VU), na Prefeitura. “Teremos feedback de bons avaliadores no próprio local. Posso produzir um estilo diferente e colocar na torneira, agregar um restaurante. Também tem os paneleiros, que hoje são mais de 80 em Farroupilha. Logo eles vão partir para o conceito de cervejaria cigana, que usam os tanques de uma outra cervejaria para produzir e comercializar. Então, essa planta que temos hoje pode ser uma opção para eles”.

   Além do conceito de qualidade que a serra empresta aos seus produtos, o empresário diz que nutre um carinho especial pela cidade. “Eu vim para cá com 10 anos de idade, minha vida toda foi aqui, me sinto mais farroupilhense que alpestrense, minha vida escolar, minha formação, tudo vivi aqui e sou muito grato por Farroupilha, pelo crescimento que a cidade me proporcionou”. Esse apreço também fez com que Boakoski decidisse divulgar a Favorita na 22ª Festa de Nacional do Kiwi, que acontecerá de 20 de julho a 06 de agosto, nos Pavilhões do Parque Cinquentenário.

Para este ano, a empresa está preparando a cerveja de kiwi. “Serão produzidos 100 litros, vamos lançar um pouco antes da festa para medir a aceitação e nos preparar em termos de estoque. É uma cerveja de trigo, estilo belga, de corpo leve, com fermento pouco marcante e o que prevalece são as notas da fruta”. Ele explica que nesse caso, a Lei brasileira permite a inserção dos sabores, desde que seja utilizada a polpa ou a fruta, sendo proibido o uso de corantes e sabores artificiais.

Mesmo com foco na expansão no mercado cervejeiro, Boakoski também pensa no fortalecimento do turismo em Farroupilha e diz estar cada vez mais engajado. “Junto com a Blauth e a Guarnieri, nós estamos pensando em fomentar a ideia de uma rota cervejeira. Trabalhei por seis anos em multinacional e recebia muitos paulistas, alemães, americanos e queriam conhecer nossa cultura, o vinho, a gastronomia, a malha, mas também procuravam uma alternativa diferente. Aí que a cerveja artesanal entra, podendo conciliar com diversidade alimentícia, fugindo do tradicional e com opções mais arrojadas”, finaliza.

            

Endereço: Rua Trento, 20, esquina com Rua Beluno – Bairro Medianeira

Horário de Atendimento: Segunda a Sexta-feira, das 09h às 19h e aos sábados das 09h às 17h. As visitações para grupos podem ser feitas por agendamento

Contato: 54.3412.5386 e www.cervejariafavorita.com

Facebook: Cerveja Favorita

Produtos: Sete estilos de cerveja artesanal: Pilsen, Bock, Weiss, Witbier, American Pale Ale (APA), Indian Pale Ale (IPA) e Stout;  Três estilos de chopes artesanais: Pilsen, Weiss e Malzbier; Barris de chopp: 20, 30 e 50 litros; Chopp em pet 2 litros e chopeiras elétricas.

Cervejas Sazonais: consultar no local

___________________________________________________

Blauth Bier: Cervejaria aposta no crescimento planejado

Local já se tornou uma opção diferenciada para farroupilhenses e turistas

 

 

Clima nostálgico, história, natureza belíssima, arquitetura europeia e cerveja artesanal. Todos esses ingredientes juntos só poderiam dar certo, não é mesmo? Engano seu. Sem planejamento e muita persistência, um projeto assim poderia ficar apenas no papel. Ainda bem que em Farroupilha, o descendente de alemães e italianos, Rafael Haupt Canziani se inspirou nos seus bisavôs – responsáveis por fundar o primeiro hotel de veraneio do Rio Grande do Sul – e hoje oferece uma opção diferenciada a farroupilhenses e turistas: o projeto Blauth Bier.

 Localizado no Desvio Blauth, às margens da Rodovia Jacob Versteg, o empreendimento surpreende, não só pela estrutura ainda em expansão, mas pela riqueza de detalhes do prédio que abriga a cervejaria e a sala de degustação e eventos. Todos pensados para que o visitante se sinta realmente em um lugar especial. “Nos inspiramos nos moldes europeus. Depois de um ano e quatro meses de funcionamento vamos abrir a visitação oficial, onde o visitante acessa a fábrica por uma escada lateral, passa por cima dela, conhece o processo e vai para a prova das cervejas. Também inauguramos recentemente o biergarten, com os mesmos tipos de bancos e mesas que se usam na Alemanha, numa área em que as pessoas compartilham os espaços e o jardim restante também pode ser ocupado”, conta Canziani.

Além do empreendedorismo e da visão voltada ao turismo, o gestor herdou de seus ancestrais o amor por aquela localidade. “Por mais de 40 anos, o hotel Blauth & Haupt foi bastante frequentado, um importante ponto turístico de 1923 a 1936, recebendo turistas vindos de trem de várias localidades do estado, que se encantavam com o ar europeu. Dessa época ainda temos um dos chalés, onde moro, os trilhos, a caixa da água e a paisagem é praticamente a mesma. Essa nostalgia foi passada de geração para geração, para todos os bisnetos. Havia sempre uma vontade e um sonho meu de trabalhar com isso e trazer o turista de volta”, lembra.

“Eu enfrentei bastante dificuldade, mas o prefeito Claiton acelerou o turismo, movimentou o que estava abandonado há muitos anos. A Prefeitura nos ajudou a acelerar o processo, facilitar a comunicação com o estado”, diz Canziani.

Mais um ingrediente juntou-se a tudo isso: a paixão pela cerveja. Conforme Canziani, os estudos sobre o produto começaram após ele visitar um microcervejaria em outro estado, há nove anos. “Comecei a ir atrás, principalmente em Santa Catarina, que era um polo da bebida artesanal e pensei que poderia fazer isso nas nossas terras. Porém, percebi que os insumos para produzir eram caros, equipamentos difíceis de comprar, mão de obra do cervejeiro era especifica e tinha poucos. Então, montei um plano de negócios e paralelo a isso, me aprofundei mais nessa área, fiz curso de panela, de bier sommelier e acabei indo pra Espanha me formar como mestre cervejeiro”. Hoje, ele possui o título de Mestre Cervejeiro pela Universidad de Alcalá de Henares (Madrid / Espanha), Sommelier de Cervejas pela Doemens Academy e Membro da Asociación Española de Técnicos de Cerveza y Malta. Diga-se de passagem, seus antepassados também produziam a bebida. Prova disso foi a receita encontrada em há pouco tempo, durante a reforma do chalé remanescente da época do veraneio, escrita pelo seu bisavô, o pastor Curt Haupt.

    Claro que a receita só serviu de estímulo. Hoje a produção da Blauth segue a Lei da Pureza Alemã, em todos os produtos, com exceção da Honey Session Ipa, que leva mel de flor de laranjeira. Todos os insumos são importados e respeitam o processo e a cultura cervejeira. “ No Brasil está surgindo agora essa cultura, que já é milenar em outros países, o que a gente faz aqui é respeitá-la. Eu por ser alemão, vivi no Blauth, vou para o lado mais conservador. Hoje temos quatro estilos de cerveja e mais um está saindo no próximo mês, a Export”.

 

Uma cerveja leva em média 21 dias para ficar pronta

Conforme Canziani, os últimos três anos foram destinados a equipar e construir o local. Hoje, a fábrica tem cinco tanques de fermentação e maturação de volumes variados e capacidade para produzir 15 mil litros por mês. No entanto, com aquisição de mais equipamentos, a atual planta poderia gerar até 120 mil litros mensalmente. Paralelo a parte estrutural, o tempo também foi de inserção das cervejas e do chopp produzidos em restaurantes e hotéis turísticos, além de casas especializadas e bares da região. A estratégia de disponibilizá-los em estabelecimentos específicos deu certo. Quem conhecia os produtos, queria mais e acabava parando na Blauth Bier para adquirir os rótulos.

Os produtos hoje são comercializados somente na Serra Gaúcha e em breve estarão também nas regiões metropolitana de Porto Alegre, das Hortênsias e Vale do Taquari. “Hoje concentramos em Farroupilha, Garibaldi, Caxias do Sul, Carlos Barbosa, Bento Gonçalves e Nova Prata. Por conta do nosso crescimento, surgiram os gargalos, precisamos de mais tanques, mais gente para trabalhar, então você tem que ir organizando uma logística e ter cuidado para não negativar o produto”, explica. Logo, iniciara o processo de pasteurização, que auxiliará na ampliação do mercado.

Recentemente o plano de negócios, que previa o desenvolvimento do projeto a longo prazo, ganhou uma injeção de investimentos com a entrada de dois sócios: Marcos e Ricardo Tramontina. “Com a vinda deles acabou a acelerando o processo. Era um plano mais familiar, tinha eu, minha mulher que é médica e ajudava, era um projeto para 20 anos e agora encurtou. Apensar de eles estarem vinculados à empresa Tramontina, eles compartilham da mesma paixão pela cerveja, são jovens, interessados e tem a mesma vontade desenvolver algo legal e diferenciado em Farroupilha”, conclui.

   Para que toda a proposta esteja pronta, ainda existem mais etapas a serem seguidas. A próxima inclui o cercamento do terreno, a instalação da sala de cinema superior com 40 lugares, que homenageia aqueles que ajudaram a construir a história do Desvio Blauth e a transformação da sala de degustação em um Pub com harmonizações gastronômicas. “O pub vai ficar maior, agora estamos com uma fachada provisória. A previsão é que dentro de um ano esteja em pleno funcionamento”, revela. Além disso, a ideia é formatar um calendário cervejeiro forte na Serra, incluindo datas como Saint Patrick Day. Nesse ano a primeira edição foi realiza em março e atraiu mais de mil pessoas.

Já a última etapa, Canziani prefere não divulgar, mas já adianta que quando ficar pronta, vão ter apenas duas ou três do mesmo molde em todo o Brasil. “Quando eu iniciei não existia nada parecido aqui, mas como existe a previsão de abertura de mais de dez mil microcervejarias nos próximos dez anos no país, certamente surgirão algumas com nesse estilo. É um mercado que ainda tem todo um contexto a ser desenvolvido, estamos no início”.

 

 

Endereço: Rodovia Jacob Versteg, km 8,3 – Desvio Blauth

Horário de Atendimento: De segunda a sexta-feira, das 08h às 12h e das 13h30 às 18h30 e sábados das 13h30 às 18h30. Podem ser agendadas visitações, inclusive para grupos.

Contato: (54) 3261-9575 e comercial@blauthbier.com.br

Facebook: Blauthbier

Produtos: 5 estilos de cerveja: Weissbier, Pilsner, Export, Honey Session Ipa e Dry Stout; Chopp artesanal para festas e eventos, de 20, 30 e 50 litros

______________________________________________

Farroupilha está no mapa das melhores cervejas do Brasil

Cervejaria Guarnieri comprovou qualidade em concurso

 

 

Rótulos sempre contam uma história diferente

    Originais. Essa pode ser a palavra que define os produtos da Cervejaria Guarnieri, localizada na Linha São Miguel, no interior do município. Desde o local onde está instalada a fábrica – em meio a um haras – até os rótulos são de uma peculiaridade encantadora. “Nós trabalhamos com uma agência, a gente passa a ideia e eles desenvolvem, em uma linha bem diferente, que combina com nosso estilo. Queremos propiciar uma experiência nova em todos os sentidos, especialmente em termos de sabores e aromas, queremos a perfeição. Que o apreciador sinta uma sensação boa, uma sensação diferente”, diz o proprietário da cervejaria, Luis Paulo Guarnieri.

Luis Guarnieri posa com a Cerveja Medalha de Ouro

   Em busca da perfeição, ele decidiu inscrever seus rótulos no Concurso Brasileiro de Cervejas 2017, realizado em Blumenau (SC). A competição é considerada a segunda maior da área em volume de inscrições no mundo, ficando atrás somente do americano World Beer Cup. Lá, a qualidade da bebida artesanal produzida no município foi comprovada com três medalhas. A IPA Cachorro Ovelheiro levou o ouro, a Scottish Ale Thor a prata e a IPA Imperial 2 Anos ficou com medalha de bronze. “Foi o primeiro que participamos, tinha cerca de 280 concorrentes só na categoria por estilos. Foi muito bacana e gratificante ter o trabalho reconhecido, ficamos felizes, também por ser uma cervejaria pequena e do interior”

Guarnieri enxerga o crescimento da empresa e do próprio mercado em Farroupilha como algo natural. “Nosso objetivo é único desde o primeiro dia: fazer melhores cervejas possíveis. Com isso, tu vais ganhar visibilidade, de qualquer maneira. O pessoal vai fazendo em pequenos lotes em casa e partir do momento que tu pega gosto, vai querendo aumentar tua produção, é natural. E um incentiva o outro”, diz. Porém, para quem pretende se colocar no mercado, não basta ficar só no hobby. “Eu trabalhei em empresas e troquei o terno e gravata por bermuda, camiseta e tênis. Mas isso não quer dizer que não se leva a sério. Se a gente não encara como um negócio, só a paixão não sustenta”, pondera.

A fabricação na Linha São Miguel começou com testes, com a experiência de 15 anos de Guarnieri como paneleiro. Há quatro anos, ele decidiu transformar o pavilhão construído pelo seu pai em uma empresa e hoje tem capacidade instalada para a produção de sete mil litros.

Para provar as bebidas é preciso ir até os parceiros da casa, como restaurantes e bares ou ir diretamente no pub administrado por Guarnieri, o Doppio Malto, em Bento Gonçalves. “Aqui ainda não é aberto à visitação e ao varejo. Estamos ajeitando a estrada de acesso para melhorar o fluxo de veículos, queremos ter uma área de lazer, oferecer um bom serviço. Seria o biergarten para a pessoa poder passar o dia aqui, ter uma interação, fazer a degustação, ficar à sombra das árvores. Nosso planejamento é para setembro”, conta.

 

Cervejaria está localizada em meio a um haras

De qualquer maneira, a intenção é trabalhar com produtos diferenciados, que possam ser adquiridos apenas no bar ou na própria fábrica. “Aqui e com o bar temos uma possibilidade enorme de fazer cervejas diferentes experimentais. Esse é o charme do pequeno produtor, de ter uma flexibilidade. Hoje temos oito contínuas e outras sazonais. Agora está entrando uma cerveja escura com toque de chocolate e café para esse período do ano. Fizemos 500 litros no ano passado e como foi sucesso, faremos mil litros agora”, destaca.

Aliás, outro experimento atual da cervejaria é utilizar dois barris de carvalho franceses para produzir duas novas variedades. Um deles foi usado para envelhecer conhaque e o outro para vinho do porto. Dentro de um ano, dependendo do andamento da maturação, o produto já deve estar pronto. “Temos muitas opções. Com o malte por exemplo, ele pode ser torrado em vários níveis, então podemos ter notas de café, biscoito, chocolate, banana e maracujá”.

Para o Secretário de Turismo e Cultura, Francis Casali, as cervejarias são de grande importância para o município, pois diversificam e ampliam o trade turístico. “Elas aumentam nosso potencial, e levando os visitantes para novos e diferentes caminhos. Por isso, a Secretaria apoia na questão de informações técnicas e sugerindo a formatação de roteiros, além de estar à disposição para auxiliar com divulgação”.

Estima-se que em Farroupilha, existam mais de oitenta paneleiros, ou seja, pessoas que fazem suas cervejas em casa, apenas para consumo próprio. Aos que se interessarem em ampliar a produção e alavancar o negócio, a Prefeitura orienta a procurar a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda, no Centro de Atendimento ao Cidadão. “A pasta está à disposição não só para abrir a empresa por meio de um serviço desburocratizado, afinal após as questões de PPCI e meio ambiente os alvarás são emitidos num prazo de 48 horas, mas também com orientação jurídica e empresarial, oferecida através de convenio do Sebrae”, diz o Secretário Roque Servenigni.

Endereço: Linha São Miguel, 3º distrito – Divisa com Garibaldi -RS

Horário de Atendimento: Ainda não possui atendimento ao público

Contato: 54.99120.7678 ou contato@cervejariaguarnieri.com.br

Facebook: Cervejaria Guarnieri

Produtos: Oito estilos de cervejas: Imperial IPA 2 Anos, Scoth Ale Thor, IPA Cachorro Ovelheiro, Pale Ale Santo Coyote, Blond AlE Victória, Weiss White Cat, Vienna Lager Major, Lager Bento.

Cerveja Sazonal: Oatmeal Stout Los Cuervos

Clique no mapa e confira a rota das cervejas artesanais em Farroupilha

Se você gostou da reportagem especial de hoje, compartilhe! Ela também está na página Facebook.com/farroupilha.rs. Todas as imagens desse belissimo roteiro podem ser vistas no link: https://www.flickr.com/photos/farroupilha.

 

Texto: Renata Parisotto

Ilustração: Jonas Viega

Fotos: Adroir Fotógrafo

Edição: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social

imprensa@farroupilha.rs.gov.br

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.