CRAS II realiza oficina com famílias do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à família

7 de novembro de 2019 14:53

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Habitação, através do Centro de Referência de Assistência Social – CRAS II, realizou oficina com famílias vinculadas ao Serviço de Proteção e Atendimento Integral à família – PAIF, no sábado, dia 26 de outubro, no Salão de Igreja do Bairro São José, e reuniu aproximadamente 50 famílias.

A oficina teve como objetivo principal socializar a todos os membros das famílias acompanhadas, acerca da equipe de trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social – SUAS, do Centro de Referência de Assistência Social – CRAS II, bem como divulgar os serviços ofertados.

Uma programação bem diversificada contou com:

– Explanação da equipe técnica sobre os serviços ofertados pelo CRAS II;

– Apresentação dos Programas Criança Feliz e Primeira Infância Melhor;

– Compartilhamento das vivências dos grupos “Os Imbatíveis”, “Os amigos”, Infinitos” e “Vivendo Melhor a Vida”, que integram Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – SCFV;

-Exposição de fotos das atividades desenvolvidas ao longo do ano de 2019;

– Apresentação de hip hop do grupo “Os Imbatíveis”.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA – PAIF

O que é?

O Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família – PAIF consiste no trabalho social com famílias, de caráter continuado, com a finalidade de fortalecer a função protetiva das famílias, prevenir a ruptura dos seus vínculos, promover seu acesso e usufruto de direitos e contribuir na melhoria de sua qualidade de vida. Prevê o desenvolvimento de potencialidades e aquisições das famílias e o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, por meio de ações de caráter preventivo, protetivo e proativo. O trabalho social do PAIF deve utilizar-se também de ações nas áreas culturais para o cumprimento de seus objetivos, de modo a ampliar universo informacional e proporcionar novas vivências às famílias usuárias do serviço. As ações do PAIF não devem possuir caráter terapêutico

Usuários

Famílias em situação de vulnerabilidade social decorrente da pobreza, do precário ou nulo acesso aos serviços públicos, da fragilização de vínculos de pertencimento e sociabilidade e/ou qualquer outra situação de vulnerabilidade e risco social residentes nos territórios de abrangência dos CRAS, em especial:

– Famílias beneficiárias de programas de transferência de renda e benefícios assistenciais;

– Famílias que atendem os critérios de elegibilidade a tais programas ou benefícios, mas que ainda não foram contempladas;

– Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência de dificuldades vivenciadas por algum de seus membros;

– Pessoas com deficiência e/ou pessoas idosas que vivenciam situações de vulnerabilidade e risco social.

Objetivos

– Fortalecer a função protetiva da família, contribuindo na melhoria da sua qualidade de vida;

– Prevenir a ruptura dos vínculos familiares e comunitários, possibilitando a superação de situações

de fragilidade social vivenciadas;

– Promover aquisições sociais e materiais às famílias, potencializando o protagonismo e a autonomia das famílias e comunidades;

– Promover acessos a benefícios, programas de transferência de renda e serviços socioassistenciais,

contribuindo para a inserção das famílias na rede de proteção social de assistência social;

– Promover acesso aos demais serviços setoriais, contribuindo para o usufruto de direitos;

– Apoiar famílias que possuem, dentre seus membros, indivíduos que necessitam de cuidados, por

meio da promoção de espaços coletivos de escuta e troca de vivências familiares.

Trabalho desenvolvido

Acolhida; estudo social; visita domiciliar; orientação e encaminhamentos; grupos de famílias; acompanhamento familiar; atividades comunitárias; campanhas socioeducativas; informação, comunicação e defesa de direitos; promoção ao acesso à documentação pessoal; mobilização e fortalecimento de redes sociais de apoio; desenvolvimento do convívio familiar e comunitário; mobilização para a cidadania; conhecimento do território; cadastramento socioeconômico; elaboração de relatórios e/ou prontuários; notificação da ocorrência de situações de vulnerabilidade e risco social; busca ativa.

Formas de acesso:
            Para participar do PAIF, é necessário procurar o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Atualmente, o município conta com dois Centros de Referência de Assistência Social:

CRAS I

Rua Antonio Benvenutti, 67 – bairro Industrial

(54) 3268.6969 / (54) 9 9948.2539

ÁREA DE ABRANGÊNCIA:

Área Urbana: América, Alvorada, Centenário, Medianeira, Monte Pasqual, Industrial e Ipanema.

Área Rural: Nova Milano e Vila Esperança.

CRAS II

Rua da República, 540 – Centro

(54) 3268.1633 / (54) 9 9933.7346

ÁREA DE ABRANGÊNCIA:

Área urbana: Bela Vista, Belvedere, Centro, Cinquentenário, Cruzeiro, Do Parque, Imigrante, Monte Verde, Nova Vicenza, Pio X, Planalto, 1º de Maio, Santa Catarina, Santa Rita, Santo Antônio, São Francisco, São José, São Luiz, São Roque, Vicentina e Volta Grande.

Área rural: São Marcos, Vila Jansen e Nova Sardenha.

Assessoria de Imprensa e Comunicação Social

Texto e foto: Secretaria de Desenvolvimento Social e Habitação

CONTATO

Praça Emancipação, s/n | Bairro Centro | CEP 95170-444

Telefone (54) 3268.1611

Horário de Atendimento: 9h às 16h

CNPJ 89.848.949/0001-50

OUVIDORIA/FALA, CIDADÃO!

Aplicativo Fala, Cidadão!

Praça Emancipação, s/n | Bairro Centro | CEP 95170-444

Telefone (54) 3261.6996 | Whatsapp: 984045537

E-mail ouvidoria@farroupilha.rs.gov.br

Horário de Atendimento: 9h às 16h